Clicky

Plataforma Healthcare Management. Ideias, Tendências, Líderes e Práticas - Healthcare Management

Presidente da empresa municipal de saúde do Rio entrega o cargo a Crivella

O presidente da Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro (RioSaúde), Ronald Munk, 60, entregou na última segunda-feira (16) uma carta ao prefeito Marcelo Crivella (PRB), renunciando ao cargo que ocupou nos últimos cinco anos. A exoneração ainda não foi publicada no Diário Oficial carioca.

Munk fundou a RioSaúde no governo Eduardo Paes (MDB) e era um dos únicos nomes do primeiro escalão a sobreviver à troca de comando na Prefeitura do Rio. Agora, do governo anterior, só resta o presidente da empresa municipal responsável pelos serviços de informática (Iplan-Rio), Fábio Pimentel Carvalho. Na última semana, o Ministério Público do Rio abriu investigação para apurar suspeita de de exonerações em massa conduzidas por Crivella. O MP recebeu denúncias de que funcionários com cargo de confiança teriam sido demitidos para a contratação de pessoas ligadas à Igreja Universal.

Ouvido pelo UOL, Munk alegou motivações pessoais para deixar o cargo. “Não tive ingerência política nenhuma do prefeito durante toda a gestão. O prefeito visitou o hospital Rocha Faria e elogiou as condições”, declarou Munk. “Meu objetivo era desenvolver um modelo de gestão para que as empresas públicas trabalhassem. Ele foi cumprido”, completou.

Com um orçamento de cerca de R$ 220 milhões por ano, a RioSaúde administra três UPAs municipais no subúrbio do Rio de Janeiro (Cidade de Deus, Rocha Miranda e Senador Camará), a Coordenação de Emergência Regional da Barra da Tijuca e o Hospital Municipal Rocha Faria. Recentemente, a RioSaúde renovou o contrato para gerenciar o hospital por mais dois anos.

“No Rocha Faria, ainda há deficiência de infraestrutura material e de recursos humanos. Não sei se é falha da secretaria ou do município que não deu condições ou se é falha da própria administração que assumiu. Algo estranho aconteu porque ele [Munk] estava muito motivado para resolver isso”, disse Ludugério Silva, presidente da Federação das Associações de Moradores do Município do Rio. A Rio Saúde tem pouco mais de 2 mil funcionários e atende 200 mil pacientes por ano. A Prefeitura do Rio ainda não informou quem substituirá Munk no cargo.

Modelo de empresa privada

Economista formado na Suíça, Munk foi convidado por Eduardo Paes para profissionalizar a gestão da saúde municipal no Rio. Assumiu unidades municipais que funcionaram como pilotos para testar modelos de gestão pública. Nas UPAs e e o hospital administrados pela RioSaúde, médicos, enfermeiros e demais funcionários conviviam com um sistema de metas semelhante ao verificado nas empresas privadas. Precisavam, por exemplo, aumentar o nível de satisfação dos pacientes atendidos e diminuir o tempo de espera para ter direito a pagamento de bônus. Mas, com a crise financeira que acomete a Prefeitura do Rio, o pagamento dessas variáveis foi suspenso. E a expansão do modelo da RioSaúde para outras unidades, um objetivo de Munk, não pôde avançar, uma vez que a prefeitura está proibida de contratar mais gente, devido à lei da responsabilidade fiscal.

Fonte: UOL

Próximo Post

HCM | Edição 85

HealthARQ - Edição 38 - Bia Gadia

HealthARQ - Edição 38 - Lauro Miquelin

HealthARQ - Edição 38 - Daniel Mendez

Health-IT Prêmio '22

  ASSINE A NEWSLETTER

Assine as revistas do Grupo Mídia

Quer falar com o mercado da saúde?
Fale com a gente!

16 3913 – 9800

Assinaturas e circulação: assinatura@grupomidia.com
Atendimento ao leitor: atendimento@grupomidia.com
Redação: redacao@grupomidia.com
Comercial: comercial@grupomidia.com