Hospital Unimed de Juiz de Fora conta com seis grupos de geradores Nema Energy

É natural que o público geral pense em grandes centros médicos como estruturas que se automantém. São diversos os processos imprescindíveis para o pleno funcionamento que, muitas vezes, devido ao seu próprio exercício ímpar, passam despercebidos em meio ao dia a dia agitado de um hospital. O mais básico desses processos talvez seja o fornecimento de energia, produto sem o qual até mesmo a vida cotidiana encontra problemas em seguir seu fluxo.

No que diz respeito ao sistema de energia de um centro hospitalar, no entanto, quaisquer problemas podem acarretar em muito mais do que alimentos temporariamente sem refrigeração ou paralisação da internet. O bom funcionamento dos sistemas relacionados à manutenção e fornecimento de energia elétrica para os mais diversos setores em uma instituição da Saúde é vital no processo de conservar o conforto e, por vezes, a própria vida de pacientes, familiares e até mesmo colaboradores.

Não obstante, com seis grupos geradores de 550 kVA trabalhando de forma paralela para manter o fornecimento médio de 3300 kVA, o Hospital Unimed de Juiz de Fora, em Minas Gerais, não tem absolutamente nada com o que se preocupar. Resultado de um alinhamento técnico cuidadoso, os grupos de geradores são suficiente para suprir ainda mais do que o necessário para emergências, podendo cobrir o funcionamento de todos os 12 andares e 14 pavimentos do edifício, com inauguração programada para março deste ano, mas ainda sem previsão para o início das operações efetivas.

Tiago Vargas, engenheiro eletricista da Nema Energy

Hospital

A estrutura, projetada para prestar assistência aos 300 mil clientes da operadora de seguros não apenas em Juiz de Fora, mas em toda a Zona da Mata Mineira, é produto de um investimento de R$ 130 milhões. Após ser finalizado, o empreendimento deve gerar de 800 a 900 empregos diretos, para profissionais da Saúde e demais setores de serviços. Atualmente, o número de profissionais envolvidos na preparação da unidade de saúde já ultrapassa o marco de meia centena.

O projeto, iniciado no começo do segundo semestre de 2017 e finalizado em dezembro do mesmo ano, foi colocado nas mãos da Nema Energy, empresa catarinense presente no mercado há pouco mais de três décadas, que participou desde a fase dos projetos, com alinhamento do escopo de cada fornecedor da parte elétrica, até a negociação e fechamento para fornecimento dos grupos geradores a diesel e seus acessórios.

O trabalho foi desenvolvido junto às outras empresas envolvidas no fornecimento de energia para a Instituição, de forma que todas as precauções e processos de segurança contra potenciais falhas fossem analisados e implantados no sistema de provisão.

Tiago Vargas, engenheiro eletricista da Nema Energy, revela que os equipamentos escolhidos foram eleitos justamente com base na facilidade e rapidez de manutenção em caso de falha. “Os geradores são equipados com motores de combustão alimentados por óleo diesel, fácil de ser encontrado no mercado e de maior eficácia em comparação a outros combustíveis”. E, no que diz respeito à Saúde, à manutenção da vida e a processos que frequentemente não podem ser interrompidos, tempo é indubitavelmente uma questão essencial.

Eficiência em prática

Com isso em mente, o sistema de controle da Unidade de Geração, diante da falta de energia, seja por blackout ou devido a horários de ponta (períodos nos quais a energia possui alta demanda e consequente elevação de tarifa), leva cerca de 50 segundos para que seja dada a partida e realizada a comutação da fonte de fornecimento. Em termos técnicos, Vargas explica que “no momento em que todos os geradores estiverem com suas grandezas elétricas aptas a trabalharem em paralelo e conectados a barra de paralelismo, a estrutura volta a funcionar integralmente”.

Resposta ágil para garantir a segurança

Em termos mais amplamente acessíveis, a transferência de energia para todos os 35 mil m² do Hospital acontece em menos de um minuto após percebida a interrupção do abastecimento, o que acontece em poucos segundos, possibilitando o total controle da situação e continuação das atividades essenciais. O funcionamento paralelo dos seis grupos geradores não deve, no entanto, se perder na tradução. É precisamente no paralelismo que reside uma das maiores garantias do funcionamento ininterrupto do sistema de abastecimento.
“Em caso de falha de um dos seis, mantemos a operação com os outros cinco Grupos de Geradores Nema Energy”, conta o engenheiro. A percepção da demanda só se deu devido à atenção da empresa no planejamento do empreendimento, desde o período de projetos. “Participamos de cada processo, desde o alinhamento do escopo de cada fornecedor da parte elétrica até a negociação e fechamento para fornecimento dos grupos geradores a diesel e seus acessórios.”

Esta matéria e muito mais você confere na edição 29 da revista HealthARQ.

Veja mais posts relacionados