Clicky

Plataforma Healthcare Management. Ideias, Tendências, Líderes e Práticas - Healthcare Management

Cai a ocupação de leitos de UTI Covid-19 nos hospitais

Médicos alertam para risco de aumento de contaminações no carnaval

A ocupação de leitos de UTI para pacientes Covid caiu nos últimos 20 dias.

Na nova pesquisa SindHosp-Sindicato dos Hospitais do Estado de são Paulo realizada entre os dias 1 a 9 de fevereiro, apenas 11% dos hospitais relataram ocupação de 81% a 100% de sua UTI Covid, enquanto na pesquisa anterior, realizada de 12 a 19 janeiro, 39% dos hospitais relatavam ocupação de 81% a 100%, indicando uma desaceleração das infecções graves por Covid19.

A pesquisa do SindHosp ouviu 72 hospitais (25% na capital e 75% no interior) que dispõem de 8.972 leitos, sendo disponibilizados para Covid 1.907 leitos – 52 pediátricos, 644 de UTI e 1.211 leitos clínicos.

Mas 95% dos hospitais relatam capacidade de aumento de leitos para Covid caso haja necessidade.

Atendimento de urgência

Os atendimentos de urgência para pacientes com suspeita de Covid-19 continuam crescendo. Para 51% dos hospitais o aumento do atendimento emergencial foi de até 20% e para 34% dos hospitais variou entre 21% e 40% nos últimos 15 dias.

Esse aumento nos atendimentos de urgência tem gerado espera de 1 hora em 51% dos hospitais e de 2 a 3 horas em 32% dos serviços de saúde.

Para o médico Francisco Balestrin, presidente do SindHosp, a diminuição das internações em UTI e o contínuo aumento dos atendimentos de urgência nos prontos-socorros podem indicar que a contaminação dos pacientes tem ocorrido de forma mais leve em decorrência da vacinação em massa.

“Mas alertamos que o período de carnaval, com a decretação de ponto facultativo, pode propiciar aglomerações e reiniciar uma nova onda de infecções”, destaca.

O médico frisa a necessidade de se evitar aglomerações e o uso contínuo de máscara e lavagem de mãos.

Yussif Ali Mere Jr., presidente da Fehoesp-Federação dos Hospitais do Estado de São Paulo, alerta que “a queda nas internações mais uma vez não significa o fim da pandemia, infelizmente”.

Para ele, a população, independentemente de opção religiosa ou político-partidária, já tem informação suficiente para saber como se proteger e a responsabilidade que tem perante a sociedade.

“Não é aceitável que filhos deixem de vacinar seus idosos por filosofia política, que pais negligenciem a saúde dos filhos quando eles mesmos chegaram saudáveis à idade adulta graças à vacinação”, ressalta.

Faixa etária dos pacientes

Pacientes internados em leitos de UTI têm entre 60 e 79 anos em 76% dos hospitais enquanto nos leitos clínicos 41% dos hospitais registram também pessoas de 60 a 79 anos.

Maiores problemas

Questionados sobre os maiores problemas encontrados no atendimento hospitalar, 67% dos hospitais indicaram o afastamento de profissionais da equipe multiprofissional e de médicos por problemas de saúde e 21% relataram que o grande problema é o aumento do atendimento de urgência/emergência maior que a capacidade do hospital.

Cancelamento de cirurgias eletivas

Mesmo com a ocupação de UTIs em baixa, 40% dos hospitais informam que estão cancelando de 21% a 40% das cirurgias eletivas e 36% dos estabelecimentos de saúde estão com cancelamento de até 20%.

Aumento do atendimento de consultas on-line 35% dos hospitais relatam aumento das consultas on-line em mais de 60% enquanto 27% deles registram aumento dos atendimentos online de 21% a 40%.

Próximo Post

HCM | Edição 85

HealthARQ - Edição 38 - Bia Gadia

HealthARQ - Edição 38 - Lauro Miquelin

HealthARQ - Edição 38 - Daniel Mendez

Health-IT Prêmio '22

  ASSINE A NEWSLETTER

Assine as revistas do Grupo Mídia

Quer falar com o mercado da saúde?
Fale com a gente!

16 3913 – 9800

Assinaturas e circulação: assinatura@grupomidia.com
Atendimento ao leitor: atendimento@grupomidia.com
Redação: redacao@grupomidia.com
Comercial: comercial@grupomidia.com