Clicky

Plataforma Healthcare Management. Ideias, Tendências, Líderes e Práticas - Healthcare Management

“Uma medida histórica”, diz Carlos Eduardo Gouvêa, da CBDL, sobre a liberação de autotestes no Brasil

“O autoteste é uma ferramenta muito importante no combate à Covid-19, principalmente no atual contexto”, reforça o presidente executivo da CBDL

No final do mês de janeiro, a Anvisa aprovou a Resolução 595a qual estabelece os requisitos e os procedimentos para a solicitação de registro, distribuição, comercialização e utilização de autotestes para detecção do antígeno de SARS-CoV-2.

Assim, a medida permite a venda de autotestes diretamente ao consumidor por farmácias e estabelecimentos de saúde licenciados para comercializar dispositivos médicos.

Em entrevista para a Healthcare Management, Carlos Eduardo Gouvêa, presidente executivo daCâmara Brasileira de Diagnóstico Laboratorial (CBDL), considera a “medida é histórica”.

“A criação do autotestes já existe há algum tempo e oferece uma importante ferramenta para o cidadão comum ter controle da sua vida. O autoteste é uma ferramenta muito importante no combate à Covid-19, principalmente no atual contexto em que temos uma taxa de transmissão extremamente alta.”

Ainda de acordo com a resolução, fica é

“vedada a oferta de autoteste na internet em sítio eletrônico que não pertença a farmácias ou estabelecimento de saúde autorizados e licenciados pelos órgãos de vigilância sanitária competentes”.

Diversas empresas nacionais e multinacionais, associadas à CBDL, já se mobilizaram para enviar o registro e dar início à fabricação dos autotestes. A expectativa é que, neste primeiro momento, de 10 a 12 milhões de autotestes sejam produzidos no Brasil, o que poderá atender a demanda dos brasileiros.

Autotestes no Brasil:

  • Os autotestes só poderão ser comercializados no país após registro do produto junto à Anvisa;
  • A Anvisa analisará os pedidos de registro de autotestes com prioridade;
  • É proibida a venda de autotestes em sites que não pertençam a farmácias ou estabelecimentos de saúde autorizados e licenciados pelos órgãos de vigilância sanitária;
  • O autoteste não define um diagnóstico, o qual deve ser realizado por profissional de saúde. Seu caráter é orientativo. Ou seja, não se trata de um atestado médico;
  • O resultado do autoteste não é válido para viagens e entradas em eventos.

Assista a entrevista com Carlos Eduardo Gouvêa, presidente-executivo da CBDL, para a Healthcare Management:

Leia mais:

Próximo Post

HCM | Edição 82

Revista Healthcare Management - Edição 82

Revista Healthcare Management - Edição 82

Revista Healthcare Management - Edição 82

  ASSINE A NEWSLETTER

Assine as revistas do Grupo Mídia

Quer falar com o mercado da saúde?
Fale com a gente!

16 3913 – 9800

Assinaturas e circulação: assinatura@grupomidia.com
Atendimento ao leitor: atendimento@grupomidia.com
Redação: redacao@grupomidia.com
Comercial: comercial@grupomidia.com