Pisos bem pensados garantem eficiência, durabilidade e conservação do ambiente

Uma das mais conceituadas instituições de saúde do país, o Hospital Sírio-Libanês (HSL), implantou uma unidade hospitalar em Brasília (DF). Com o novo hospital – o primeiro da instituição fora da capital paulista –, o HSL amplia sua atuação na capital federal, uma vez que já contava com dois Centros de Oncologia e um de Medicina Diagnóstica.

Com mais de 30 mil m2 e localizado na altura da quadra 613, na via L2, o Hospital Sírio-Libanês de Brasília foi inaugurado em fevereiro de 2019. Nesta primeira fase do hospital, foram criados 450 empregos formais, além de 130 terceirizados. De acordo com Fábio Patrus, diretor de Unidades Externas do Sírio-Libanês, ainda serão investidos mais R$ 60 milhões no projeto, o que fará o número de empregos chegar a 800 em 2022.

Para concretizar esta arrojada obra no coração do Brasil, o Sírio-Libanês contratou fornecedores de equipamentos e serviços de ponta no setor médico-hospitalar brasileiro. Para desenvolver o projeto arquitetônico, foi contratada a RAF Arquitetura.

O prédio (estrutura e fachada) já existia e foi um empreendimento elaborado por investidores para uma futura ocupação hospitalar. “Assim, o nosso desafio foi possibilitar que todo o Programa de Necessidades pré-estabelecido pelo corpo técnico do Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo, fosse implantado em uma edificação pré-determinada”, relata Cynthia Kalichsztein, partner-managing director na RAF Arquitetura.

A RAF desenvolveu todo o projeto de Arquitetura com a parceria e suporte da equipe de arquitetos da Engenharia do Sírio-SP. Foi um trabalho colaborativo e muito produtivo”, acrescenta.

Sustentabilidade

O grande desafio do projeto, segundo Cynthia, foi implantar um hospital em uma edificação existente com comprimento de 200 m2, acessos à edificação já estabelecidos e uma modulação estrutural pouco convencional para unidades hospitalares. “Nosso propósito desde os primeiros estudos foi elaborar um projeto sem comprometer o fluxo interno da unidade, e evitando longos percursos dentro do hospital para os pacientes e acompanhantes. Os diferentes acessos para o Hospital foram essenciais para que conseguíssemos otimizar as distâncias”, diz.

O trabalho da RAF junto ao Hospital Sírio-Libanês de São Paulo foi iniciado em dezembro de 2016. Na concepção do projeto, um dos nortes foi a sustentabilidade. “Foi proposta uma climatização adequada a cada ambiente, além do uso inteligente e racional dos vidros. Sempre quando possível privilegiamos os ambientes com iluminação natural, mas trabalhando também com a iluminação artificial adequada a cada ambiente, tornando-os mais acolhedores”, conta Cynthia.

Pisos

Para a implantação de um componente fundamental em um hospital, os pisos, o Sírio-Libanês buscou no mercado para a nova unidade da instituição uma empresa com grande know-how no atendimento do segmento médico-hospitalar. “Após termos realizado a obra da nova torre do Sírio-Libanês de São Paulo e diversas outras obras nas unidades existentes, o Hospital nos convidou para realizar toda a obra de pisos resilientes na nova unidade de Brasília”, afirma André Dratovsky, sócio-diretor da Baueco Pisos e Revestimentos.

No empreendimento, a Baueco propôs a utilização dos pisos de borracha NORA.

André Dratovsky, sócio-diretor da Baueco Pisos e Revestimentos

Representado comexclusividade pela Baueco no Brasil, este produto foi inicialmente especificado pelo Hospital em função de sua tecnologia, que permite um sistema de limpeza e conservação muito mais econômico que outras soluções. Proporciona, assim, grande economia financeira e operacional”, explica Dratovsky.

 

Outro diferencial deste tipo de piso de borracha é a sua capacidade de recuperação de danos e manchas superficiais, evitando a necessidade de obras ou grandes intervenções em caso de acidentes. Da mesma maneira, a resistência química e o conforto ergonômico sempre foram diferenciais valorizados pelo hospital.

Segundo Dratovsky, um desafio da obra foi acomodar todas as instalações e ainda atingir uma excelente absorção acústica sem dispor da possibilidade de aumento do pé direito. “Neste sentido, os pisos de borracha Nora oferecem alta absorção acústica, não apenas quando estão novos, mas durante toda sua vida útil. É que a borracha utilizada nos pisos Noraplan possui resiliência permanente, não perdendo capacidade de absorção acústica e ergonômica, mesmo após muitos anos de uso”.

Outro obstáculo para executar o projeto foi o curto prazo para a instalação dos pisos, aliado a uma enorme quantidade de prestadores de serviços trabalhando simultaneamente. “No entanto, o bom alinhamento entre o time da Baueco e o time de engenheiros e gestores do Hospital foi crucial para o sucesso de todo o processo e o cumprimento dos cronogramas”, pontua.

6.000 m² de pisos de borracha

A obra de instalação dos pisos aconteceu em 2018 e foi realizada em algumas fases, conforme liberação do hospital, sendo que todos os serviços foram executados por equipe própria da Baueco. “A execução dos mais de 6.000 m² de pisos de borracha Noraplan se deu em menos de três meses de trabalho, respeitando todas as interfaces da obra”, relata o sócio-diretor da empresa.

Os pisos e rodapés de borracha Nora foram aplicados em quase todos os leitos, salas cirúrgicas, consultórios, áreas de circulação, entre outros setores. “O Sírio-Libanês vem utilizando os pisos de borracha Nora desde 2013. Portanto, já são mais de 5 anos de experiência com nossas soluções”, sublinha Dratovsky.

Desde então, o hospital segue uma busca constante por eficiência e durabilidade, que são proporcionados pelos pisos de borracha Noraplan, que são conservados, polidos e, quando necessário, restaurados, apenas com uso de água (sem químicos, ceras ou impermeabilizantes).

Dratovsky explica ainda que as soluções Nora escolhidas pelo Hospital oferecem segurança contrafogo, ergonomia e resistência química, além de um sistema de instalação confiável, em que a Baueco se envolve e cuida desde a preparação do substrato, até os acabamentos finais, respeitando as melhores práticas técnicas europeias, adaptadas à realidade Brasileira.

Manutenção

A borracha utilizada pela Nora é extremamente resistente ao alto tráfego e a agentes químicos. Mas não apenas isso. Também possui superfície extremamente densa. Assim, sem porosidade e não possuindo absorção de sujeiras e contaminantes, proporciona uma durabilidade de mais de 15 anos a um baixo custo de conservação. “Ainda quando danificados em acidentes, os pisos homogêneos de borracha da Nora podem ser facilmente restaurados, apenas com uso de água”.

Outra vantagem importante é a facilidade de manutenção. “Devido à superfície extremamente densa (atingida em prensas de até 1.200 toneladas de pressão no processo de vulcanização), os pisos Nora podem ser limpos, polidos, conservados e até recuperados em casos de danos apenas com uso de água. Dispensa todo e qualquer tipo de ceras, tratamentos superficiais, entre outros”, afirma.

O executivo da Baueco enumera outros atributos dos pisos de borracha que oferece ao mercado, como segurança em casos de incêndio, durabilidade e sistema completo (desde a preparação do substrato, até os serviços de instalação) confiável.

O custo de aquisição de pisos na área da saúde representa cerca de 10% do custo total de utilização dos pisos ao longo de sua vida útil. Os outros 90% estão relacionados a custos de conservação, limpeza e reposições. “Por isso, defendemos que a escolha inicial deve ser muito bem pensada, pois a aquisição e a contratação inicial é a parte mais barata da história”.

Esta matéria e muito mais você confere na edição 29 da revista HealthARQ.

Veja mais posts relacionados