Hospital Sírio-Libanês tem UTI certificada pelo selo Top Performer

O pioneirismo que caracteriza o Hospital Sírio-Libanês ao longo de sua história encontra na UTI um de seus exemplos mais significativos. Inaugurada em 1971, a primeira unidade do gênero foi implantada pela instituição no Brasil. Desde então, as inovações foram constantes, resultando em um ambiente com profissionais altamente preparados e recursos tecnológicos avançados para oferecer o melhor atendimento aos pacientes.

A busca pelo melhor padrão médico hospitalar conferiu à Instituição o selo Top Perfomer. Essa conquista consiste no reconhecimento às UTIs de todo o país que apresentaram alta eficiência no ano anterior, de acordo com a Matriz de Eficiência Clínica gerada pelo Sistema Epimed Monitor.

Para o presidente da Epimed Monitor, Carlos Eduardo Reis, esse certificado garante aos gestores dos hospitais centenas de indicadores de qualidade e desempenho da unidade. “Com validade de um ano, o Top Perfomer indica que as UTIs e, por consequência, os hospitais onde elas se encontram, estão alinhados com a nova realidade do setor. Ou seja, a entrega de uma medicina baseada em valor, no qual o paciente é tratado corretamente, com qualidade, segurança e com um custo adequado.”

Para realizar a avaliação das UTIs, verifica-se os parâmetros exigidos pela RDC 7 da Anvisa – que dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de UTI – e os indicadores obrigatórios para os processos de acreditação hospitalar. “Mais recentemente, com o desenvolvimento do módulo Performance, que utiliza inteligência artificial, passamos também a utilizar a força do nosso banco de dados para gerar análises preditivas e apoiar os gestores hospitalares a se prepararem para os novos modelos de pagamento baseados em desempenho”, ressalta Reis.

Graças a grande adesão da busca pelo selo nos hospitais, como a do Hospital Sírio-Libanês, Carlos Reis afirma que a empresa pretende aperfeiçoar os sistemas utilizados na avaliação das UTIs. “Estamos investindo muito na melhoria contínua das ferramentas utilizadas na avaliação. Além disso, estamos buscando o desenvolvimento de mais técnicas com utilização da inteligência artificial. ”

Esta matéria e muito mais você encontra na edição 60 da revista Healthcare Management

Veja mais posts relacionados

  ASSINE A NEWSLETTER