Hospital de Olhos Sadalla Amin Ghanem conquista ONA Nível III em 2018

Referência no setor oftalmológico em Santa Catarina, o Hospital de Olhos Sadalla Amin Ghanem (HOSAG), localizado na cidade de Joinville, está há mais de 75 anos no mercado. Em 2014, a Instituição iniciou a implantação do seu Sistema de Gestão de Qualidade. Este modelo trouxe para a unidade, em 2016, a obtenção da acreditação plena Nível II pela Organização Nacional de Acreditação (ONA).

Após dois anos como acreditado pleno, o Sadalla conquistou, em março de 2018, a certificação máxima Nível III Acreditado com Excelência pela ONA, tornando-se o primeiro hospital do estado certificado com este nível. “O processo de acreditação revela a responsabilidade e comprometimento da organização com a assistência segura, reduzindo a probabilidade de ocorrência de incidentes e eventos adversos, melhorando a cultura de segurança e ampliando a compreensão sobre a segurança do paciente”, comenta Mirian Maria Marques Pinheiro, Diretora do Hospital, sobre os valores trazidos com a obtenção do selo.

Nesse sentido, a executiva ressalta que este processo alinha a Instituição às melhores práticas do mercado, com referências de validação internacional. “O selo comprova interna e externamente que a organização cumpre os padrões de qualidade e segurança no atendimento”.

Para Mirian, a certificação máxima foi consequência final de todos os esforços conjuntos, legítimos e focados da Instituição. “A conquista da acreditação em Nível III sempre foi encarado como um meio e não como um fim. Ou seja, tudo o que implantamos ou melhoramos foi feito não apenas para obter o certificado, mas para levar a Instituição a patamares mais elevados de qualidade na assistência, segurança do paciente e gestão”.

Mapeamento de processos e transparência lado a lado
Com a acreditação, o Hospital passou a mapear os seus processos. Essa prática trouxe para a Instituição uma exatidão numérica, que garantiu maior clareza à gestão sobre as informações para a tomada de decisão.

Outro impacto positivo que o processo trouxe para o Hospital foi a revisão e a definição de processos institucionais com parâmetros de transparência na gestão hospitalar. “Quando a Instituição começa a medir seus processos com indicadores, ou seja, com dados assertivos e numéricos a transparência fica mais evidente”, explica a diretora.

Ainda sobre a temática da transparência, a executiva ressalta que os sistemas de notificação de fragilidade de processos e incidentes adversos relacionados à segurança do paciente exerceram também uma forte incidência sobre o compliance na gestão hospitalar.

Entre os processos implantados no Sadalla durante a acreditação, destaca-se a introdução do plano orçamentário por centro de custo, que permitiu à gestão, maior controle sobre as despesas e receitas do Hospital. Como resultado desta implantação, a Instituição atingiu a margem de lucros esperada.

“Podemos afirmar que os impactos financeiros provenientes deste processo foram significativos para a Instituição. Entretanto, é importante ressaltar que, possivelmente, estes resultados poderão ser melhor observados a longa prazo, ajudando o Hospital a alcançar maturidade no processo de gestão da qualidade”, pontua.

Desafios superados
A acreditação exige diversas mudanças dentro de uma instituição de saúde e essas transformações podem gerar instabilidade e novas preocupações para a gestão hospitalar. No Hospital de Olhos Sadalla Amin Ghanem essa realidade não foi diferente. Segundo a diretora do Sadalla, entre os desafios enfrentados destacam-se os investimentos necessários na melhoria da infraestrutura e processos, e o envolvimento profundo da direção, corpo clínico e lideranças.

“A falta de comunicação com toda a equipe de maneira clara e objetiva, a dificuldade da flexibilidade na cultura instituição e o desconhecimento técnico sobre o processo de acreditação também foram alguns desafios”, revela Mirian. “Mas, vale destacar que todos os desafios foram superados, pois antes de iniciarmos todo o processo tomamos o cuidado de conscientizar os nossos profissionais a respeito da nova fase que viveríamos e a nossa equipe já estava sendo preparada tecnicamente para este processo”.

Além dos desafios enfrentados para a implantação do processo de acreditação, existem também os gargalos para a manutenção do selo. A executiva ressalta que a motivação inicial de toda a equipe hospitalar diminui após a conquista da certificação e esta foi uma das maiores dificuldades a serem superadas pela Instituição.

Para manter as equipes engajadas e comprometidas, Mirian revela que o Hospital passou a utilizar diversas estratégias, como a manutenção de um setor específico de Gestão de Processos; a atuação continua de Comissões internas; a realização periódica e sistemática de treinamentos; auditorias internas sistematizadas e externas ordinárias e extraordinárias quando necessário; definição de indicadores de processos e análises críticas, sustentando o atingimento de metas e conquista de melhorias; implantação de novas práticas e ferramentas que apoiem a inovação, investimentos em conhecimento, profissionais e novas tecnologias.

Os investimentos não param
Atualmente, os principais investimentos realizados no Hospital de Olhos Sadalla Amin Ghanem estão voltados para a oferta de maior qualidade e inovação para os pacientes. No primeiro semestre deste ano, por exemplo, está sendo implantado na Instituição o Projeto de Autoatendimento, que tem como objetivo agilizar toda a rotina de entrada do paciente no Hospital.

Para facilitar este processo, todas as etapas de atendimento poderão ser realizadas eletronicamente, desde o primeiro contato do paciente com a Instituição –através do agendamento de consulta passando pela confirmação e atualização dos dados cadastrais, até o momento do atendimento presencial, incluindo a autorização da guia do convênio e pagamento da consulta.“Com este projeto esperamos reduzir o tempo que os pacientes esperam nas filas, especialmente nos horários de pico, e proporcionar um serviço inovador”, conta Mirian.

O Hospital também está investindo no Programa Sadalla Popular, que foi criado para oferecer serviços oftalmológicos de qualidade para os pacientes de baixa renda que não possuem plano de saúde. O principal objetivo deste programa é cuidar da saúde ocular com excelência a preços acessíveis. “Nos meses de janeiro e fevereiro de 2018 já fizemos 660 atendimentos dentro desta modalidade e o objetivo até final do ano é crescer ainda mais”.

Raio X do HOSAG
Média de tendimentos realizados mensalmente: 17 mil
Número de leitos: 11
Número de colaboradores: + de 240 profissionais
Número de médicos: 36

 

Sobre o HOBrasil
Há quase dois anos, um grupo de médicos e o Fundo de Investimentos Pátria formaram o Hospital de Olhos do Brasil (HOBrasil) estão aplicando um novo modelo de gestão que permite ampliar o poder de negociação, o ganho em escala e o acesso a tecnologias de alto custo, preservando a execução da oftalmologia de ponta, humanizada e oferecendo tratamentos e serviços aos pacientes. Com o novo método,o médico participa de todas as decisões estratégicas do negócio, sem perder o foco no exercício da medicina Atualmente são associados ao Grupo: o Instituto de Olhos Freitas, DayHorc e Clínica Villas (BA); Hospital Oftalmológico de Brasília (HOB) e INOB (Distrito Federal); Hospital de Olhos Santa Luzia (Alagoas), Hospital de Olhos Sadalla Amin Ghanem (Santa Catarina) e HCloe (São Paulo).

Esta matéria foi publicada na 53ª Revista HealthCare Management.

Veja mais posts relacionados

HMC tem nova superintendente

O Hospital Márcio Cunha (HMC), administrado pela Fundação São Francisco Xavier (FSFX), empossou a nova superintendente da unidade: a médica...

Fenasaúde terá nova Diretora-geral

A advogada e engenheira Vera Valente será a nova diretora-geral da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), substituindo o engenheiro...