A (Re)descoberta do Brasil

Com 25 anos de atividade, a SISQUAL é reconhecida como uma das líderes mundiais na criação de ferramentas de Workforce Management – WFM (Forecast, Dimensionamento, Planejamento e gestão operacional de equipes) soluções viradas para as operações diárias dos hospitais que asseguram uma maior segurança do paciente e visam ainda, aumentar significativamente a sua produtividade enquanto aumentando também a qualidade de vida dos colaboradores.

A empresa iniciou suas atividades no mercado brasileiro em 2010 dando o primeiro passo em seu processo de internacionalização.

Em um bate-papo descontraído, o CEO da SISQUAL Frederico Magalhães conta a trajetória da empesa ao longo dos últimos oito anos em terras brasileiras. Entre os destaques dessa conversa estão a consolidação no mercado como a maior empresa do segmento, gerenciando mais de 200 mil profissionais diariamente apenas no segmento da saúde no Brasil.

Com quantos contratos a empresa fechou seu primeiro ano no Brasil?
Encerramos nosso primeiro ano de atividade no Brasil com três contratos firmados, Fundação Bahiana de Cardiologia, Hospital S. Rafael e Hospital Português. Todos em Salvador (BA) e após 8 anos, com cerca de 120 Hospitais por todas as geografias do Brasil, continuamos com a honra de ter estes hospitais na nossa carteira de clientes e ainda conquistamos mais 8 hospitais apenas em Salvador.

Porque a empresa decidiu apostar no mercado brasileiro de saúde?
Decidimos iniciar nossas atividades em terras brasileiras pois já atuávamos com ferramentas de WFM no setor da saúde há sete anos e, por conta do grande sucesso e consolidação no mercado de saúde em Portugal, decidimos expandir nosso mercado para o Brasil, Espanha e Reino Unido.

Por outro lado, era nítido que muitos hospitais e organizações de saúde com forte dimensão no Brasil, assim como na maioria do mundo, não conheciam nem usavam uma ferramenta para a gestão da força de trabalho.

Outro motivo, e talvez o mais óbvio, tem a ver com a dimensão do mercado brasileiro, que é cerca de 50 vezes maior do que o português.

Qual a importância deste mercado para a multinacional?
Atuar no Brasil foi nosso primeiro passo rumo a internacionalização. O Brasil foi uma aposta forte e arriscada, mas que sabíamos que, com persistência e a qualidade da nossa solução, teríamos sucesso. Contudo, em termos geoestratégicos, o investimento no Brasil era também uma aposta no mercado Sul Americano, que já estava no nosso road map e evoluir para o mercado espanhol que tem forte influência nos países hispânicos da América do Sul foi uma segunda parte dessa estratégia.

Qual foi o crescimento médio ao ano da empresa desde que chegou no Brasil?
A SISQUAL no Brasil tem crescido sempre aos dois dígitos em todos os anos desde 2010. Porém, tão importante quanto o crescimento em faturamento foi a consolidação das referências no mercado. Isso é a garantia de um crescimento sustentável e da maturidade e aderência de uma solução cuja última versão já foi desenvolvida no Brasil.

Quantos contratos a SISQUAL atende atualmente?
Atendemos várias dezenas de contratos e várias áreas de negócio. Só em saúde são mais de 120 hospitais que utilizam nossa solução no Brasil. Temos uma ferramenta transversal atendendo o Varejo (Lojas Marisa), Serviços (Estapar) e medicina diagnóstica (Grupo Fleury), só para citar alguns.

Quais as perspectivas da SISQUAL para os próximos anos no Brasil?
Queremos manter o crescimento sustentável e ser um exemplo em inovação para o aumento da produtividade e qualidade de serviço das organizações. Pretendemos reforçar a liderança na Saúde e Varejo e atender outras áreas de negócio onde a gestão das forças de trabalho para o aumento da produtividade e qualidade de serviço seja um desafio complexo. Nossas ferramentas, comprovadamente, podem aumentar os ganhos de produtividade em 15% ou mais.

Quais os grandes desafios enfrentados pela empresa no mercado brasileiro?
Foram vários. No início, a falta de cases de sucesso – pois no Brasil só se vende com referências – depois com a mudança da matriz para SP, o desafio foi a divulgação do conceito de workforce management.

Tínhamos que explicar o conceito antes de pensar em vender a solução, pois a SISQUAL foi pioneira na apresentação ao mercado de uma solução de gestão da força de trabalho já aderente aos desafios complexos da lei trabalhista Brasileira.

As empresas Americanas e Europeias que são nossas concorrentes, por exemplo, falharam todas neste ponto. Mais tarde, e já com referências no mercado, outro desafio enfrentado foi convencer o cliente da importância e necessidade de mudança de processos. Adotar uma solução de WFM traz um aumento significativa na produtividade se for acompanhada de uma mudança de processos, e o tradicional empresário ou gestor hospitalar apresentava resistência para alterar rotinas e processos.

Hoje, já com uma posição de destaque no mercado e possuindo os principais hospitais em praticamente todas regiões do Brasil, o desafio é o do crescimento sustentado, o da entrega com qualidade, melhorar ainda mais a capacidade de resposta em suporte e angariar mais canais de distribuição para ter capilaridade e escalar a solução para todo o Brasil.

Veja mais posts relacionados